Timeline

1930

1930

O trator “Massey-Harris 34” em exposição na sede da AGCO no Rio Grande do Sul

Início da mecanização das lavouras

Até meados do século passado, a agricultura brasileira era extremamente rudimentar. Éramos nós, os brasileiros, que precisávamos recorrer à importação para poder mecanizar os processos da lavoura. Foi o caso da família do senhor Lourenço Edwino Scheffel, de Cachoeira do Sul/RS, que na década de 1930, adquiriu um “Massey-Harris modelo 34”, que, anos mais tarde (1986), venceu um concurso por ser considerado o trator Massey em uso mais antigo do Brasil. Hoje o trator está em exposição na fábrica da MF em Canoas/RS.

FOTO: O trator “Massey-Harris 34” em exposição na sede da AGCO no Rio Grande do Sul.

1939

1939

Os primeiros a testar uma colheitadeira Massey Ferguson

Antes mesmo de ter uma fábrica instalada no país, a Massey já fazia a diferença na vida dos agricultores. Em 1939, foi realizada a primeira colheita mecanizada no Brasil com uma “Massey-Harris 20”. Tal feito só foi possível porque um ano antes, um próspero produtor de arroz, chamado Adriano Scherer, encontrou no aeroporto de Porto Alegre/RS, James Duncan, presidente da Massey-Harris à época. Durante a conversa, o agricultor foi convencido de que seria possível agilizar a colheita com a utilização do maquinário e que a tecnologia certamente aumentaria a produtividade e geraria economia com mão de obra. Após este encontro, então, ficou combinado que Scherer e um grupo de produtores do Rio Grande do Sul, dentre eles: José Carlos Krebs, Angelo Rossi, Pedro Martini e Angelo Rossi seriam os primeiros a testar a colheitadeira.

FOTO: Primeira colheita mecanizada no Rio Grande do Sul.

1940

1940 a 1950

Agricultor observa máquina “Massey-Harris”.

As concessionárias chegaram antes

Para que o agronegócio pudesse se desenvolver no Brasil, era fundamental que os produtores rurais tivessem acesso a tratores, colheitadeiras e implementos, pois apenas com o auxílio dos maquinários seria possível aumentar a produtividade das lavouras. Isso significa que era necessário tornar o trabalho mais eficiente e profissional, permitindo assim a expansão das fronteiras agrícolas e, consecutivamente, a ampliação da produção.

FOTO: Agricultor observa máquina “Massey-Harris”.

1953

1953

Os primeiros concessionários

O grande problema da época era o excesso de máquinas agrícolas vindas do exterior, já que nenhuma revenda contava com peças de reposição e assistência técnica para todos. As concessionárias chegaram a oferecer mais de 140 marcas de tratores, com cerca de 350 modelos cada, só que não havia suporte de pós-venda para nenhuma delas. Ou seja, essa situação era ruim tanto para o produtor rural, quanto para o comerciante, já que ambos eram obrigados a esperar meses para consertar uma única máquina, com significativos prejuízos para seus negócios.

1953

1953 – Entrevista

1953

1953

A marca preferida dos agricultores

Neste momento, a Massey-Harris, que em 1953 passou a se chamar Massey Ferguson, começa a despontar como a marca preferida dos agricultores, justamente por fabricar tratores de qualidade e muito fáceis de operar.

1960

1960

Inauguração da Massey Ferguson no Brasil com presença de Lúcio Meira, presidente do GEIA; o presidente da República, João Goulart; o ministro do Planejamento, Celso Furtado; e o presidente mundial da Massey Ferguson, Albert A. Thornbrough.

A industrialização da agricultura

A década de 60 divide a história da agricultura brasileira em dois momentos: a primeira fase é marcada pela agricultura rudimentar, limitada pela dependência quase que exclusiva da tração humana e animal. E a segunda, aponta para um futuro com complexas e profundas transformações.

Foto: Inauguração da Massey Ferguson no Brasil com presença de Lúcio Meira, presidente do GEIA; o presidente da República, João Goulart; o ministro do Planejamento, Celso Furtado; e o presidente mundial da Massey Ferguson, Albert A. Thornbrough.

1961

1961

“Cinquentinha” em exposição durante inauguração da Massey Ferguson no Brasil

A era da agricultura moderna

A Massey Ferguson se tornou uma das protagonistas deste momento ao instalar, em 1961, sua primeira fábrica de tratores na capital paulista. Vale ressaltar que, neste período, o Brasil não dispunha de maturidade e profissionalismo na área industrial, portanto era obrigado a importar todo tipo de bens de produção.

FOTO: “Cinquentinha” em exposição durante inauguração da Massey Ferguson no Brasil.

1961

1961

MF 50 - primeiro trator fabricado no Brasil

A expansão das fronteiras agrícolas

A principal necessidade dos produtores em 1960 tinha a ver com o intenso trabalho de expansão das fronteiras agrícolas. A resposta da Massey Ferguson foi oferecer tratores ainda mais robustos e, posteriormente, máquinas com mais capacidade de tração. A marca também atendeu a uma antiga reivindicação, que era a de dotar os tratores com motores a diesel, solução que foi viabilizada após uma parceria firmada com a Motores Perkins, empresa que no futuro se tornaria uma associada Massey Ferguson.

FOTO: MF 50 – primeiro trator fabricado no Brasil.

1961

1961

Autoridades visitam a fábrica da Massey Ferguson durante a inauguração

O Brasil na era da mecanização agrícola

Este cenário só começou em meados dos anos 1950, com a aceleração da industrialização e a criação do Grupo Executivo da Indústria Automobilística (GEIA) e o Plano Nacional da Indústria de Tratores em 1959. A estratégia desencadeou a abertura de diversas fábricas do setor automotivo e uma onda de profissionalização começou entre elas.

FOTO: Autoridades visitam a fábrica da Massey Ferguson durante a inauguração.

1962

1962

Fachada da fábrica da Massey Ferguson em São Paulo/SP

A marca mais vendida

Ainda em 1962, os tratores Massey Ferguson se tornaram os mais vendidos no mundo ocidental e a companhia Minuano, de Canoas/RS, passou a revender as máquinas fabricadas em São Paulo/SP em diversas filiais que foram abertas em municípios gaúchos. É neste mesmo ano que nasce a Sfil, empresa de implementos agrícolas, que futuramente seria adquirida pela AGCO.

FOTO: Fachada da fábrica da Massey Ferguson em São Paulo/SP.

1962

1962

MF 50 – O famoso “Cinquentinha”

O famoso “Cinquentinha”

O primeiro trator produzido pela Massey no Brasil, o MF 50, mais conhecido como “Cinquentinha”, tem este nome em homenagem ao momento de intensas transformações que a sociedade brasileira vivia, pois rememora o ideal de desenvolvimento proposto pelo presidente JK para que o Brasil pudesse avançar “50 anos em 5”.

FOTO: MF 50 – O famoso “Cinquentinha”.

1968

1968

Linha de montagem da fábrica da Massey Ferguson em São Paulo/SP

Ainda nos anos 60

Outros marcos relevantes para a Massey Ferguson na década de 60 foram: a fabricação do primeiro arado tubular pela Minuano, comercializada sob licença da Massey Ferguson; a inauguração do primeiro Centro de Treinamento da MF, em Lençóis Paulista/SP, em 1968; e a incorporação de diversas empresas, entre as quais a Minuano, em 1969. A partir de todas essas mudanças e aquisições surge o nome Massey Ferguson do Brasil S. A. Indústria e Comércio.

FOTO: Linha de montagem da fábrica da Massey Ferguson em São Paulo/SP.

1970

1970

Tratores Massey Ferguson em frente ao Congresso Nacional em Brasília/DF.

Expansão agrícola

No começo da década de 70, o Brasil ainda sofria com a produção de alimentos e a ameaça de escassez gerava problemas em todas as regiões do país. Os agricultores passavam por grandes dificuldades devido às perdas de produção da lavoura por conta da erosão do solo. Este problema era em função do “cultivo convencional”, baseado no modelo europeu de manejo que utilizava grades e arados para revolver a terra, e que expunha as lavouras às intempéries do clima tropical.

FOTO: Tratores Massey Ferguson em frente ao Congresso Nacional em Brasília/DF.

1970

1970

Brasil amplia frota agrícola e tratores Massey Ferguson se popularizam.

Sistema de Plantio Direto no Brasil

Frente a este desafio, Herbert Bartz, um agricultor do município de Rolândia/PR, passou a procurar alternativas que fossem menos agressivas ao solo e que permitissem realizar uma agricultura mais sustentável. Foi assim que começou o Sistema de Plantio Direto no Brasil. Em paralelo, o governo criou políticas para aumentar a produção agrícola, incluindo investimentos públicos em pesquisa, extensão rural e disponibilidade de crédito.

FOTO: Brasil amplia frota agrícola e tratores Massey Ferguson se popularizam.

1971

1971

Iniciando a modernização da agricultura brasileira

Era o início do intenso processo de modernização que a agricultura brasileira experimentaria nas décadas seguintes. É neste período também que nasce a Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária) e que o Brasil atinge picos de mecanização e de expansão agrícolas jamais vistos: em 10 anos, a área cultivada triplicou e a frota nacional de tratores sextuplicou, chegando a 450 mil unidades.

1971

1971 – Entrevista

1971

1971

O milagre econômico brasileiro

O crédito abundante e as isenções fiscais oferecidas pelo governo em meados da década de 1970, somados a investimentos estrangeiros, criaram as condições que impulsionaram a abertura de fábricas, novos estabelecimentos comerciais e muitos negócios, assim como a construção de grandes obras de infraestrutura. Por esta razão, essa época entrou para a história como o “milagre econômico brasileiro”.

1975

1975

MF 275

O trator mais vendido é da Massey Ferguson

Mantendo-se em total sintonia com o momento vivido pelo país, mas sem desviar a atenção dos rumos traçados para o futuro, em 1975 a Massey Ferguson bateu seu primeiro recorde brasileiro, com a produção de 29.433 tratores de roda em um único ano pela fábrica instalada em São Paulo – ou seja, mais de 50% da produção anual do país. É a partir desta fase que o MF 275 conquista o título de “trator mais vendido do país”.

FOTO: MF 275.

1976

1976

Linha de montagem da fábrica da Massey Ferguson em São Paulo/SP

As primeiras colheitadeiras

Segundo a Anfavea, do início até o fim da década de 1970, a empresa estampou sua marca em quase 95.000 tratores. Ainda neste período, foram desenvolvidos no Brasil os primeiros protótipos das colheitadeiras MF 210, MF 220 e MF 2105 da Massey Ferguson. Para realizar este projeto, foi preciso trazer uma colheitadeira da Alemanha junto com o projetista do equipamento e o assistente dele. Após a chegada do maquinário ao Rio Grande do Sul, os responsáveis começaram a fazer testes e adaptações para que a máquina estivesse apta a trabalhar em solo brasileiro. Os protótipos alemães levaram quatro anos para ficar prontos, no Brasil, as montagens e os testes foram concluídos em seis meses.

FOTO: Protótipos de colheitadeira.

1976

1976 – Entrevista

1980

1980

O agro se reinventa

Após três décadas de crescimento acelerado, os anos 1980 chegaram anunciando o fim do “milagre econômico brasileiro”. Em 1981, o PIB do país diminuiu 4,3% e a inflação acumulada era de aproximadamente 110% ao ano. A dívida externa quase dobrou neste período, chegando a 65 bilhões de dólares, com os juros na casa dos 6 bilhões de dólares.

1980

1980

Notoriedade do plantio de soja

Durante essa fase de instabilidade econômica que perdurou por alguns anos, muitos produtores rurais sofreram uma queda brusca na renda. Inclusive, neste período houve uma nova onda de migração de agricultores sulistas para o Centro-Oeste atrás de melhores condições de vida. Desta maneira, Estados como Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Goiás, cuja base econômica era a pecuária extensiva, passaram a ganhar notoriedade pelo plantio de soja.

1980

1980

A necessidade de uma reestruturação generalizada

A região que ficou conhecida como MATOPIBA, formada por áreas de Cerrado no Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia, também começou a se destacar como a nova fronteira agrícola do Brasil, a partir da segunda metade dos anos 1980. Nesta época, a ausência de crédito subsidiado e a falta de garantia de preços mínimos estáveis, levaram diversos produtores ao endividamento, tornando necessária uma reestruturação generalizada.

1980

1980

Foto fachada do Consórcio Nacional Massey Ferguson

O trator mais vendido é da Massey Ferguson

Diante deste cenário, a Massey Ferguson se aproximou ainda mais dos empreendedores rurais ao lançar seu próprio consórcio em abril de 1980. Pioneiro no país, o novo modelo de negócios da MF revolucionou a compra de máquinas agrícolas, pois a partir da implementação do consórcio, os agricultores passaram a contar com prazos mais longos de pagamento e sem juros.

FOTO: Foto fachada do Consórcio Nacional Massey Ferguson.

1980

1980

A crise mundial do petróleo

Esse momento influenciou o Brasil a criar o Programa Nacional do Álcool, o Proálcool. Essa crise aconteceu porque os países produtores de petróleo, concentrados no Oriente Médio, elevaram o preço do barril em 300%, gerando altas taxas de juros internacionais. Desta maneira, o principal objetivo do programa era o de diminuir a dependência de petróleo do Brasil, que importava cerca de 80% de todo o combustível consumido.

1983

1983

Trator 290 – movido a álcool

O primeiro trator movido a álcool

Ciente desta situação, a Massey Ferguson lançou, em 1983, o primeiro trator movido a álcool, o MF 290 Álcool. A iniciativa mostrava grande sintonia com o momento do Brasil, já que a produção canavieira no país batia consecutivos recordes. A ideia era atender também aos usineiros, que teriam mais facilidade e menos custos para abastecer seus tratores.

FOTO: Trator 290 – movido a álcool.

1983

1983

Trator 290 – movido a álcool

Começaram as exportações

Também nos anos de 1980 a Massey Ferguson do Brasil S. A. Indústria e Comércio incorporou a Motores Perkins S. A.. A partir desta década também a Massey Ferguson passa a fazer grandes exportações. Sendo a primeira frota direcionada ao Oriente Médio, com 600 tratores MF 296/4 e 50 colheitadeiras. As máquinas eram montadas em Hashua, na área metropolitana conhecida como Grande Bagdá.

FOTO: Massey Ferguson Brasil começa a exportar.

1983

1983 – Entrevista

1984

1984

Os recordes de 80

É importante lembrar que a década de 80 foi marcada por sucessivos recordes de grandes superávits comerciais, que só acontecem quando o nível das exportações de um país supera o de importações. E a Massey Ferguson foi uma das empresas que contribuiu para que o saldo da balança comercial do Brasil fosse melhorando a cada ano.

1985

1985

Embaixadores do Plantio Direto

É ao longo dos anos 80, que o Sistema do Plantio Direto (SPD) começa a ganhar o Brasil. A técnica, que foi adotada pioneiramente no país pelo produtor rural paranaense Herbert Bartz, em 1971, ganhou o reforço de outros dois entusiastas: Franke Dijkstra e Manoel Henrique Pereira, o “Nonô Pereira”. Os três agricultores, apelidados de “embaixadores do Plantio Direto”, divulgaram a técnica e fizeram com que o Brasil se tornasse referência na utilização desta prática que, além do controle da erosão, proporciona uma série de benefícios para a lavoura.

1986

1986

A técnica e seus benefícios

O Plantio Direto surge como uma técnica de controle da erosão que consiste na semeadura da nova cultura sobre os restos vegetais da palhada da colheita anterior, sem realizar preparo algum do solo. Tal iniciativa foi fundamental para corrigir os danos causados ao solo por causa do uso intensivo de implementos para lavrar e gradear seguidamente a terra, como pregava a revolução verde das décadas anteriores. Além disso, a técnica também ajudava o solo com acúmulo de matéria orgânica, aumento da fertilidade química, física e biológica, sequestro de carbono, retenção de água, menor uso de combustíveis fósseis, menor uso e desgaste de maquinário, e uma maior produtividade nas colheitas.

1988

1988

Capa da revista Campo Aberto de julho de 1988

Plantadeiras e Semeadeiras Massey Ferguson

A Sfil, empresa de implementos agrícolas, que posteriormente viria a ser adquirida pela AGCO e que é responsável pelas primeiras tecnologias oferecidas nas linhas de plantadeiras e semeadeiras da Massey Ferguson, teve um papel de destaque na fabricação de kits de plantio que permitiam aos agricultores trabalhar no sistema de Plantio Direto.

FOTO: Capa da revista Campo Aberto de julho de 1988.

1990

1990

Novas tecnologias revolucionam a agricultura

Na década de 1990 o Brasil começa, aos poucos, a superar o que restava da crise dos anos anteriores. À medida que este processo avança, o país vai se transformando em uma grande potência no negócio agrícola global. É neste contexto que a Massey Ferguson passa por uma reestruturação de seu controle acionário, sendo adquirida pelo grupo norte-americano AGCO, em 1996.

1991

1991

Projeto Globalizado para o Brasil

Proprietária da Massey Ferguson em outros países, a AGCO assume a operação brasileira, com o intuito de consolidar um projeto globalizado, cuja meta era se tornar referência mundial na produção e comercialização de máquinas agrícolas. Neste período a divisão de colheitadeiras é transferida de Canoas/RS para um novo parque industrial em Santa Rosa/RS, no mesmo Estado.

1995

1995

MF 275

Iniciando a agricultura de precisão

Em poucos anos essa fábrica se torna estratégica para a empresa, passando a produzir modelos extremamente avançados. Nesta nova unidade são desenvolvidas, em 1999, as inovadoras colheitadeiras MF 34 e MF 38, que até hoje são consideradas um marco para a agricultura de precisão. Na prática, tratores, colheitadeiras e implementos agrícolas com este tipo de tecnologia embarcada ajudam o produtor a identificar problemas e a reagir pontualmente na sua lavoura, levando a uma gestão mais profissional do negócio.

FOTO: Colheitadeiras MF 34 e MF 38, as primeiras desenvolvidas para trabalhar com agricultura de precisão.

1997

1997

O Brasil mais tecnológico

A agricultura de precisão só se tornou possível por conta da aplicação das novas tecnologias eletrônicas, de informática e de geoposicionamento (GPS). Nesse ponto, foi significativo o aporte tecnológico que a AGCO trouxe para a Massey Ferguson, principalmente porque, nos anos 1990, o Brasil ainda não tinha acesso em escala comercial às chamadas tecnologias da informação. Isto aconteceu devido ao tempo em que o país permaneceu como um mercado fechado, ao contrário do que já acontecia nos países mais desenvolvidos da Europa e nos Estados Unidos.

1998

1998

Com o Sistema Fieldstar máquinas passam a trabalhar com agricultura de precisão

Sistema Fieldstar

Graças à AGCO, a Massey teve condições de acelerar esse processo e acrescentar a seus tratores e colheitadeiras o Sistema Fieldstar, que gravava os dados levantados pelo Datavision, permitindo aos produtores gerenciar os mapas e as preciosas informações ali registradas. O resultado foi uma ferramenta focada no aumento da eficiência da lavoura. Essas inovações tecnológicas junto das biotecnologias que começavam a chegar ao Brasil neste período levaram a agricultura nacional a um novo patamar de produtividade. Desenvolvida nos Estados Unidos em 1995, a soja transgênica, cuja semente é tolerante ao herbicida glifosato (Roundup Ready ou RR), foi aprovada no Brasil em 1998.

FOTO: Com o Sistema Fieldstar máquinas passam a trabalhar com agricultura de precisão.

1999

1999

Os benefícios

Essa tecnologia facilitou o emprego de defensivos químicos mais eficientes e ajudou a promover o Sistema de Plantio Direto – prática de manejo de solo advinda da agricultura orgânica que permite a semeadura sobre a palhada, garantido assim a sanidade do solo e um controle mais efetivo das plantas daninhas.

2000

2000

Nova era da agricultura

A modernização do campo permitiu que o Brasil conquistasse, a partir do novo milênio, uma posição de destaque entre os grandes produtores mundiais de alimentos. Os resultados das principais safras da década de 2000 – de grãos e de cana-de-açúcar, na época, as duas culturas de maior expressão na pauta brasileira de exportações –, ajudaram a traduzir em números a maturidade alcançada pelo agronegócio do país.

2001

2001

O Programa Mais Alimentos facilita o financiamento de máquinas agrícolas, como o trator MF 275

Produtores financiando suas máquinas

No ano de 2001, a produção nacional de grãos alcançou 100 milhões de toneladas, crescendo 50% até o fim da década. No caso da cana-de-açúcar, o aumento foi ainda maior: em dez anos saltou de 255 milhões de toneladas para cerca de 600 milhões de toneladas. Importante destacar que um dos elementos necessários para a elevação da produtividade é a mecanização e, neste sentido, facilitar o acesso ao crédito é fundamental. Por isso, dois programas criados pelo governo federal auxiliaram muitos produtores rurais brasileiros nesta tarefa: o Programa Moderfrota (2000) e o Programa Mais Alimentos (2008), este último focado em proprietários de pequenas propriedades rurais.

FOTO: O Programa Mais Alimentos facilita o financiamento de máquinas agrícolas, como o trator MF 275.

2003

2003

Caminhão da caravana Massey Ferguson que arrecadou doações para o Programa Fome Zero

Doações para o Programa Fome Zero

Em 2003, a Massey Ferguson alcançou o patamar de 500 mil tratores produzidos no Brasil. Para comemorar, a marca organizou uma caravana que cruzou o país até Brasília, com o propósito de arrecadar alimentos para o Programa Fome Zero, que foi criado pelo governo federal para combater a extrema pobreza. Ao longo de um ano de caravana foram arrecadadas toneladas de alimentos não perecíveis e a Massey Ferguson disponibilizou o trator comemorativo para que ele fosse leiloado e o valor também fosse repassado ao Fome Zero. Ao final da campanha, o trator foi arrematado pela Unimassey, a Associação Nacional dos Distribuidores Massey Ferguson e gerou uma doação de R$ 200 mil reais ao programa.

FOTO: Caminhão da caravana Massey Ferguson que arrecadou doações para o Programa Fome Zero.

2003

2003

Caminhão da caravana Massey Ferguson que arrecadou doações para o Programa Fome Zero

FOTO: Trator MF 275 que foi leiloado em benefício do Programa Fome Zero.

2003

2003

MF 275

Projeto Aquarius

Oferecer segurança e agilidade ao produtor brasileiro nunca foi tão importante quanto na era da competitividade global. Por isso, a Massey Ferguson sempre buscou orientar parceiros e produtores a fim de que eles pudessem utilizar toda a tecnologia disponível em suas máquinas. Um exemplo desta disponibilidade para capacitar novos profissionais do agro foi o Projeto Aquarius, iniciativa realizada pela Massey Ferguson, no início dos anos 2000, em parceria com a Universidade Federal de Santa Maria (UFSM).

FOTO: Projeto Aquaris – capacitação profissional realizada pela Massey Ferguson em parceria com a UFSM.

2003

2003

Os benefícios da nova modalidade

A iniciativa foi pioneira no país ao aplicar, medir e orientar os produtores rurais quanto à prática da agricultura de precisão. Nos primeiros dez anos, o projeto se concentrou em demonstrar a viabilidade e a rentabilidade desta nova modalidade de agricultura, que utiliza ferramentas como o mapeamento de produtividade, aplicação em taxa variável e piloto automático.

2004

2004

Trator específico para a fruticultura

Atenta às demandas dos produtores

A AGCO viabilizou para a Massey Ferguson investimentos destinados à ampliação do centro tecnológico da fábrica de tratores de Canoas/RS, que cresceu em 1.800 metros quadrados e quadruplicou sua capacidade. O resultado dessas iniciativas logo se refletiu nos produtos Massey Ferguson lançados nos anos 2000. Entre eles estavam tratores mais compactos, especiais para a fruticultura, e colheitadeiras maiores. Algumas dessas máquinas eram capazes ainda de operar com diferentes combustíveis e de serem menos poluentes.

FOTO: Trator específico para a fruticultura.

2004

2004

Trator da Série MF 7000

Atendendo todos os tipos de trabalhadores

A marca também investiu em novas transmissões, algumas automáticas, com mais marchas para atender às diferentes ações do trabalho no campo. Foram oferecidas ainda cabines, entre elas a que equipou a série de tratores MF 200. São também deste período a série de tratores MF 4200, composta por oito modelos com potência entre 65 cv e 130 cv e design arrojado, que oferece economia, conforto e simplicidade operacional; os tratores da série MF 7100, com potência de 140 cv e 180 cv; e a mais moderna série de tratores do Brasil com transmissão automática, a MF 7000.

FOTO: Trator da Série MF 7000.

2005

2005

Massey Ferguson exporta 165 colheitadeiras para a Venezuela

AGCO Finance

Em 2005, o financiamento dos produtos da Massey Ferguson também foi facilitado depois que a Agricredit, a instituição financeira que havia sido fundada em 1998 por iniciativa da AGCO Corporation e do Banco De Lage Landen, subsidiário do Rabobank, deu origem ao banco da própria companhia, o AGCO Finance. Ainda no mesmo ano, a Massey Ferguson alcançou um outro grande feito. No mês de dezembro, ela realizou o maior embarque de colheitadeiras de que se tinha notícia até então. Foram 165 máquinas exportadas para a Venezuela em um único navio.

FOTO: Massey Ferguson exporta 165 colheitadeiras para a Venezuela.

2005

2005 – Entrevista

2008

2008

Máquinas Massey Ferguson e o Biodiesel

Sinônimo de tradição e evolução no campo brasileiro, a Massey continuou empreendendo ao longo dos anos 2000 e desenvolveu máquinas capazes de operar com até 5% de biodiesel (mescla B5), oferecida antes mesmo que a exigência da Agência Nacional de Petróleo entrasse em vigor, a partir de 2008. Graças a essa medida, os produtores ficaram livres de futuras adaptações ou alterações de rendimento, ao mesmo tempo em que a Massey Ferguson se antecipou em oferecer uma plataforma energética renovável de biodiesel. Com a continuidade dos testes, desde então a marca já se preparava para anunciar a capacitação de seus produtos para a utilização de biodiesel puro (B100), caso, por exemplo, dos tratores MF 7000 Dyna-6, lançados no final da década.

2009

2009

Capa da revista Campo Aberto em março de 2009 anunciando as novas plantadeiras Massey Ferguson após a aquisição da Sfil

Tecnologia flex

Nos anos 2000 foram realizados ainda os primeiros testes do trator MF 275, de 75 cv, movido a etanol e diesel – a chamada tecnologia flex. Outro importante marco dos anos 2000 para a Massey Ferguson, é a compra a Sfil, fabricante sul-americana líder em implementos de preparo de solo pela AGCO. A partir deste momento, a Massey Ferguson oferece mais soluções para o plantio direto, pois passa a contar com um portfólio completo de plantadeiras e semeadeiras.

FOTO: Capa da revista Campo Aberto em março de 2009 anunciando as novas plantadeiras Massey Ferguson após a aquisição da Sfil.

2009

2009 – Entrevista

2010

2010

Agricultura digital e sustentável

Na segunda década dos anos 2000, após o estabelecimento do plantio direto, da agricultura de precisão e das biotecnologias, o desenvolvimento sustentável passou a ganhar ainda mais força no Brasil, favorecendo, desta maneira, sistemas integrados de práticas que garantam a qualidade ambiental, preservem os recursos naturais, promovam o uso eficiente de recursos e melhorem a qualidade de vida de produtores e da sociedade.

2011

2011

A partir de 2011, a Massey Ferguson passa a oferecer soluções para forragem e fenação no Brasil

Inovações tecnológicas da década

Como acontece na Integração Lavoura-Pecuária-Floresta (ILPF), que além de favorecer a recuperação de pastagens degradadas, a intensificação e a diversificação da produção, otimiza o uso da terra, eleva os patamares de produtividade, diversifica a produção, gerando produtos de qualidade e sem a pressão para abertura de novas áreas. É neste contexto que a Massey Ferguson passa a oferecer a partir de 2011, soluções e inovações tecnológicas para a cadeia produtiva tanto da pecuária bovina de corte e de leite, equina e também no segmento de biomassa. As enfardadoras da Massey Ferguson apresentam a melhor relação custo-benefício, pois contribuem com a formação de fardos com excelente qualidade, uniformes e homogêneos de alta densidade.

FOTO: A partir de 2011, a Massey Ferguson passa a oferecer soluções para forragem e fenação no Brasil.

2011

2011

Massey Ferguson desenvolve seu primeiro pulverizador no Brasil, o MF 9030

Os pulverizadores Massey Ferguson

Também em 2011, a Massey Ferguson passa a produzir pulverizadores no Brasil. O primeiro lançamento neste segmento é MF 9330, uma máquina robusta e versátil, que contava com opcionais como o piloto automático hidráulico e o sistema de telemetria AGCOMMAND, para os produtores que queriam se inserir diretamente nas tecnologias de agricultura de precisão, gerando dados que o ajudassem no gerenciamento da frota e da produção.

FOTO: Massey Ferguson desenvolve seu primeiro pulverizador no Brasil, o MF 9030.

2013

2013

Antena Auto Guide 3000 que integra o sistema de piloto automático da Massey Ferguson

Fuse Technologies

Em 2013, a agricultura digital, que é aquela baseada em dados coletados nas mais diversas atividades do campo, já era uma realidade em vários países no mundo. Por conta disso, a Massey Ferguson apresentou ao mercado brasileiro a nova Estratégia Global de Tecnologia da AGCO, o Fuse Technologies: um conceito de produtos e serviços totalmente conectados e integrados na fazenda, para que o produtor possa atuar no lugar certo e no tempo certo, em todas as etapas de produção: plantio, manejo, colheita e armazenamento de grãos que conecta gerenciamento, controle e tecnologia para aumentar a sua rentabilidade.

FOTO: Antena Auto Guide 3000 que integra o sistema de piloto automático da Massey Ferguson.

2013

2013

Base RTK

A última geração de agricultura de precisão

O Fuse Technologies é uma abordagem de última geração de agricultura de precisão que oferece operações agrícolas para frotas mistas, com conectividade e acesso aprimorados a dados de cultivo, sendo a primeira solução aberta, móvel e de frota mista do mundo. Ele vem para complementar serviços de agricultura de precisão, que a MF já oferece como, a Rede RTK, que é uma tecnologia moderna de correção de sinal GNSS. Outra novidade da AGCO que beneficiou os clientes MF que trabalham com agricultura de precisão foi a aquisição completa da Precision Planting, empresa focada no crescimento e na adoção de práticas inovadoras de agricultura de precisão, principalmente com soluções para o plantio.

FOTO: Base RTK.

2013

2013

Monitor do piloto automático da Massey Ferguson

FOTO: Monitor do piloto automático da Massey Ferguson.

2013

2013 – Entrevista

2013

2013 – Entrevista

2014

2014

MF e o Meio Ambiente

Com o objetivo de reduzir e controlar a contaminação atmosférica e a emissão de ruído por fontes móveis (veículos automotores) o Conselho Nacional do Meio Ambiente – CONAMA criou os Programas de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores: PROCONVE (automóveis, caminhões, ônibus e máquinas rodoviárias e agrícolas) e PROMOT (motocicletas e similares) fixando prazos, limites máximos de emissão e estabelecendo exigências tecnológicas para veículos automotores, nacionais e importados.

2015

2015

O agro brasileiro mais verde

Assim, no dia 1º de janeiro de 2015 entrou em vigor no Brasil o Proconve MAR-I (MÁQUINAS AGRÍCOLAS E RODOVIÁRIAS-I) resolução que permitiu que o Brasil fosse o primeiro país da América Latina a ter controle de emissão de poluentes para equipamentos pesados, seguindo o padrão de controle adotado nos Estados Unidos (EPA Tier III) e Europa (Euro Stage IIIA).

2017

2017

Motor eletrônico AGCO Power lançado em 2017

À frente de seu tempo

De acordo com a resolução MAR-I os motores dos equipamentos agrícolas com potência igual ou superior a 75 kW (101 cv) até 560 kW (761 cv) produzidos em território nacional deveriam, a partir de 2017, passar por modificações a fim de que eles fossem aptos a utilizar diesel com teor de enxofre reduzido. Sempre à frente de seu tempo, a Massey Ferguson no Brasil, que já contava com motores eletrônicos da AGCO Power em suas máquinas, como por exemplo o trator MF 8480 (2007) e colheitadeiras MF 9690 e MF 9790 (2007), passou a adotar a partir de 2017, a montagem de motores eletrônicos para equipamentos abaixo de 100cv e a partir de 2019, a montagem de motores eletrônicos para os maquinários acima de 100cv.

FOTO: Motor eletrônico AGCO Power lançado em 2017.

2019

2019

Em 2019, a Massey Ferguson fez o pré-lançamento da plantadeira Momentum, que viria a se tornar um sucesso nas safras seguintes

Plantadeira Momentum

A feira Expodireto Cotrijal que é realizada anualmente na capital nacional da agricultura de precisão, a cidade de Não-Me-Toque/RS, costuma ser palco de grandes novidades tecnológicas. Em 2019, uma das principais novidades que a Massey Ferguson apresentou no evento passou a ser o sonho de consumo de muitos agricultores. A Plantadeira Momentum, que naquela ocasião não estava à venda ainda, era apenas um pré-lançamento, foi a grande atração daquele ano. Assim que a Massey Ferguson expôs a série de plantadeiras dobráveis, que fazem parte do primeiro projeto global da AGCO desenvolvido no Brasil, ela se tornou um verdadeiro sucesso. Disponível nas versões de 24, 30 e 40 linhas no espaçamento de 45 cm e caixa de armazenamento de 5.130 litros de sementes, a plantadeira está entre as maiores da categoria.

FOTO: Em 2019, a Massey Ferguson fez o pré-lançamento da plantadeira Momentum, que viria a se tornar um sucesso nas safras seguintes.

2019

2019

ConectarAGRO

Outro momento importante para o agronegócio ainda em 2019, que contou com o apoio da AGCO e da marca Massey Ferguson, foi o anúncio da criação do ConectarAGRO, que reúne empresas interessadas em promover conectividade nas áreas rurais de todo o Brasil. Lançada durante a feira Agrishow, a iniciativa acabou se tornando, meses depois, uma associação civil sem fins lucrativos, que já promoveu a conexão em 5,1 milhões de hectares e tem 50 mil propriedades rurais cobertas, sendo 88% delas com menos de 100 hectares. A meta da iniciativa é levar a conectividade para 13 milhões de hectares até 2021.

2020

2020

Medidas de proteção

A AGCO e todas as suas marcas, como a Massey Ferguson, passaram a acompanhar a evolução dos casos de Covid-19 em todo o mundo e, seguindo as recomendações da OMS, implementou um comitê interno para estabelecer protocolos de segurança que garantiriam o bem-estar de colaboradores, das comunidades onde atua, de parceiros e clientes.

2020

2020

O Brasil registra mais um recorde de produção de soja 2019/2020. Na imagem, colheitadeiras MF em ação ajudam a ampliar a produtividade

A transformação digital no agro

Enquanto o agro brasileiro seguia batendo recordes de produção no início de 2020, com indicadores de que a safra de grãos deveria ultrapassar a casa dos 245 milhões de toneladas, o Brasil e o mundo estavam prestes a enfrentar a maior crise sanitária dos últimos tempos. No dia 11 de março de 2020, a Organização Mundial da Saúde (OMS) classificou a situação imposta pelo novo Coronavírus 2019 (Covid-19) como uma pandemia, já que o vírus havia atingido todos os continentes. Por conta disso, várias adaptações sociais se fizeram necessárias, mas como a agricultura é uma atividade essencial, nós seguimos produzindo. Nossas fábricas e revendas se adaptaram às restrições para continuarem abertas, garantindo, assim, que os agricultores permanecessem produzindo alimentos para o mundo.

FOTO: O Brasil registra mais um recorde de produção de soja 2019/2020. Na imagem, colheitadeiras MF em ação ajudam a ampliar a produtividade.

2020

2020

A Fundação da AGCO doou, em 2020, mais de RS 350 mil para entidades brasileiras que atuam no combate à pobreza, entre outras diversas ações realizadas localmente em todas as fábricas

AGCO Agriculture Foundation e causas sociais

Ao longo de 2020, para ajudar a diminuir os impactos causados pelo coronavírus nas comunidades onde tem atuação, a AGCO, por meio da Agriculture Foundation (AAF), fundação comprometida com o combate à fome por meio do desenvolvimento agrícola sustentável, doou mais de R$ 350 mil para organizações não governamentais no Brasil. Entidades como MovilizaRSE, Amigos do Bem, Banco de Alimentos e Gerando Falcões dividiram o valor doado pela companhia e conseguiram beneficiar diversas famílias que vivem em situação de extrema pobreza e vulnerabilidade. Além dessa doação, os colaboradores de todas as unidades de negócios se reuniram e realizaram diversas outras ações locais em prol das comunidades onde atuam.

FOTO: A Fundação da AGCO doou, em 2020, mais de RS 350 mil para entidades brasileiras que atuam no combate à pobreza, entre outras diversas ações realizadas localmente em todas as fábricas.

2020

2020

Mesmo em meio à pandemia, o agro não parou

Muito pelo contrário, em momento algum o Brasil teve sua segurança alimentar colocada em risco, porque os agricultores seguiram produzindo e garantindo o abastecimento das cidades. Prova disso é que mesmo com perdas de produtividade em função de problemas climáticos, a colheita de milho da safra 2019/2020 ultrapassou pela primeira vez a marca de 100 milhões de toneladas produzidas. Este é um marco histórico, porque há 40 anos, éramos importadores deste cereal. Mas, atualmente, com o investimento dos agricultores em novas tecnologias, o Brasil passou a exportar essa commodity para mais de 60 países.

2020

2020

Farm Solutions – soluções para agricultura digital da MF

Farm Solutions

Em 2020, a agricultura digital ganhou ainda mais força no Brasil e na Massey Ferguson. Para impulsionar este segmento, a ACGO promoveu a junção do portfólio de máquinas e tecnologias embarcadas da Massey Ferguson com as ferramentas do Farm Solutions, que podem trazer ao produtor rural benefícios da ordem de: até 25% de economia no consumo de combustível, considerando operações de preparo do solo e plantio; até 25% de aumento na eficiência agronômica dos defensivos agrícolas aplicados na lavoura; e até 15% de aumento de produtividade da lavoura e redução total na sobreposição, que hoje pode representar um aumento de 3,5% no custo com insumos. O pacote de serviços agronômicos Farm Solutions está disponível na rede de concessionárias da Massey Ferguson e conta com empresas parceiras especializadas na entrega de informação de qualidade para melhorar as tomadas de decisão no campo, são elas: Solinftec, a InCeres e a Tecgraf.

FOTO: Farm Solutions – soluções para agricultura digital da MF.

2020

2020

Lançada na safra 2020, a plantadeira Momentum se tornou um sucesso entre agricultores que querem garantir excelência na semeadura, devido à alta demanda, a Massey Ferguson lançou uma versão que distribuiu sementes e fertilizantes

A busca constante por produzir mais e melhor

Ao longo destes 60 anos de atuação no Brasil, a Massey Ferguson tem acompanhado os produtores rurais nesta busca por soluções que os ajudem a produzir mais e melhor. E é a isso que a Massey credita o sucesso de produtos, como a plantadeira dobrável Momentum, por exemplo. Com tecnologia exclusiva produzida e fabricada no Brasil, o equipamento agora tem uma versão indicada para o plantio de sementes e fertilizantes, que oferece ganhos de produtividade de cerca de 15%. Além disso, conta com tecnologia Precision Planting®, que garante a melhor distribuição de adubo e sementes, com níveis de singulação de até 99,6% em milho. Seu conhecido monitor 20/20 Geração 3, possibilita que o produtor monitore dados da plantadeira, acompanhando as informações segundo a segundo para cada uma das linhas, o que permite guiar melhor as decisões de operação em tempo real.

FOTO: Lançada na safra 2020, a plantadeira Momentum se tornou um sucesso entre agricultores que querem garantir excelência na semeadura, devido à alta demanda, a Massey Ferguson lançou uma versão que distribuiu sementes e fertilizantes.

2020

2020

A agrônoma e influenciadora digital Camila Lima, a convite da marca, apresenta o Massey Tech Live – evento virtual sobre os benefícios agronômicos do uso de máquinas agrícolas

Crescendo no digital

Em 2020 também observamos uma extraordinária crescente de contato digital com os nossos clientes. Tivemos acréscimo de 35% no acesso às páginas das nossas marcas. Além de acessar mais, os clientes ficaram avaliando o conteúdo cerca de três minutos a mais. Isso em uma janela anual é surpreendente. Mais alguns dados: em 2020, tivemos mais de 17.000 clientes nos contatando interessados em negociar nossas máquinas por meio de vias digitais (seja WhatsApp, site ou mídias digitais).

FOTO: A agrônoma e influenciadora digital Camila Lima, a convite da marca, apresenta o Massey Tech Live – evento virtual sobre os benefícios agronômicos do uso de máquinas agrícolas.

2020

2020

A força das plataformas sociais

A Massey Ferguson também passou por um intenso processo de transformação digital e fez o possível para garantir a continuidade das operações, disponibilizando soluções para que os agricultores pudessem seguir produzindo alimentos. E como em 2020 não foi possível participar de feiras e eventos de forma presencial, tivemos que nos reinventar e reforçar nossa presença nas plataformas digitais.

2021

2021

A marca que fez história no Brasil

Agora, em 2021, a Massey Ferguson celebra seus 60 anos de Brasil. São 60 anos da marca que ajudou a escrever a história do desenvolvimento agrícola no país. Afinal, as datas mais relevantes para MF estão intrinsecamente ligadas ao agronegócio nacional. A Massey Ferguson é uma marca pioneira que ao longo de todos estes anos tem chamado a atenção por ser ao mesmo tempo referência de confiança/qualidade e de inovação/tecnologia. Somos ágeis na proposição de soluções que mudam a vida dos agricultores para melhor. Fomos assim no passado e seguiremos com essa nossa estratégia no futuro.

2021

2021

O protagonista é você

Nosso foco é colocar o produtor rural no centro de tudo o que fazemos, porque queremos compreender profundamente nossos clientes. Pretendemos superar as expectativas dos agricultores, assegurando o crescimento de seus negócios, entregando valor no presente e no futuro, para que eles sigam confiando na Massey.

2021

2021

Em 2021, a Massey Ferguson lançou o pulverizador MF 8225

O futuro vem aí

Continuaremos aprimorando nosso já premiado portfólio para desenvolver ferramentas ainda mais inteligentes e de alta qualidade. Como é o caso de um dos grandes lançamentos de 2021, o pulverizador MF 8225. Projetado para enfrentar os desafios com eficiência, o novo pulverizador da MF oferece alta capacidade de tração, baixo consumo de combustível e conforto operacional. Além desta novidade, a MF também lança este ano, o MF 4400 – nova série de trator plataformado, que chama atenção por sua robustez e simplicidade. Seguimos inovando com foco nas demandas de nossos clientes. É o que fazemos hoje e o que pretendemos pelos próximos anos.

FOTO: Em 2021, a Massey Ferguson lançou o pulverizador MF 8225.

2021

2021

Trator MF 4408 – novidade da Massey Ferguson

FOTO: Trator MF 4408 – novidade da Massey Ferguson.

2021

2021 – Entrevista

COMPARTILHE! Massey Ferguson 60 anos VOLTAR AO TOPO